Em primeiro lugar meu bom dia a todos os participantes do AERUS, ontem me encaminharam uma mensagem de voz que volta e meia aparece e reaparece e desta vez, por uma razão. Nossos colegas de infortúnio, os não assistidos atingiram um objetivo, pois demonstraram que a união cresce e com força através da mídia fazem crescer o  #ACORDOJÁ”

Ora vejam que o “ACORDO JÁ” está vingando e assustando aqueles que ainda almejam “beliscar, usufruir, participar” de algo que não pertence a eles e ela como aprendeu por ser lulista e pertence a um grupo sem vergonha, sem mais moral, muito mais, por isto a sua aflição.

Observem que a concordância do Interventor /liquidante do AERUS era fundamental para que a VARIG fosse vendida da forma como foi e com a partição efetiva desta figura que naquela época já era muito e muito amiga do LULA e cia e que queriam que aqueles fatos viessem a ocorrer por interesses que algum dia serão externados brevemente em delação premiada.

Conhecemos a figura que faz os comentários existentes em mensagem longa recebida,  possivelmente via what zap, o relato que faz uma volta ao passado, mas não tão passado assim, pois somente falou o que lhe interessava,  omitiu seu trabalho, junto ao ex presidente da APRUS já falecido “que externou na época o fato” de sugestões tais como “ de solicitação ao SPC de intervir e liquidar os planos VARIG I e II” e com isto impedir a retirada de um valor determinado para robustecer uma tentativa pela APVAR de salvar   VARIG e juntamente com isto influenciar o interventor liquidante a aceitar a ação de defasagem tarifária que na verdade somente teria algum valor se tivesse sucesso fato sui generis, que graças a DEUS veio a ocorrer, omitiu que o SNA, participou da APRUS no período de 2008 a 2010 fato que permitiu a VEM sair do AERUS levando uma dívida reconhecida por uma comissão de inquérito promovida em 2006/2007 o que provocou uma única ação judicial onde reclamamos o fato pois foram gentilmente cedidos cinquenta milhões de reais, pelo antigo liquidante referentes ao plano I.

Uma “proposição de acordo” que surgiu no “Antagonista” divulgou um pedido do SNA e APPTA à Ministra da AGU de uma solicitação de estudo onde propunham um acordo com o que não lhe pertence ou seja a ação de defasagem tarifária, onde colocava estranhamente “define” a referida ação como de propriedade da massa falida (ignorando o AERUS e sua garantia real), propunham ainda a ação civil pública onde fala do custo da antecipação de tutela base de 35 milhões mensais (acordam a AGU para o fato) e outras ações do interesse da massa falida e seus advogados. Ante a estes comentários colocados em noticiário do Antagonista sobre propostas de acordo para análise pela AGU e outros, solicitamos uma reunião de posicionamento com a Sra. Grace responsável pela área como um todo, com a finalidade de entender a realidade dos comentários constantes no “Antagonista”.

A dita reunião foi marcada e cumprida no dia 12 de julho as 15 hs, com a presença da Sra. Grace que nos tratou com a atenção, respeito e muita gentileza, nos posicionando de que seus assessores haviam recebido um grupo de pessoas que fizeram algumas colocações a respeito, mas que haviam sido alertadas de que qualquer solicitação deveria ser feita através de requerimento adequado.

 

APRUS então  informou  à AGU, que o principal motivo daquela reunião era exatamente esclarecer quaisquer dúvidas que poderiam existir, passando assim a cumprir o principal objetivo da reunião, que era o de esclarecer e posicionar a situação naquela época existente, quanto ao tratamento dado pelo procurador da AGU lotado na PREVIC, visto que com seu parecer poderia estar provocando uma perda irreparável para os cofres da UNIÃO, por estar dando como correto um parecer de um advogado do AERUS com claro conflito de interesses por trabalhar também com procurações por parte da pretensa “massa falida da VARIG” fato que iriamos demonstrar através do encaminhamento de documentação comprobatória.

 

A Sra. Grace agradeceu nossa presença e nos solicitou um relatório sobre os assuntos comentados e o referido documento que comprovasse  a existência do conflito de interesses, tendo sido este encaminhado  para sua assessora no dia 02 de agosto e acusado o recebimento em 02 de agosto, informando que o posicionamento e documento havia sido encaminhado para a procuradoria geral  como um resumo com o nivelamento das informações bem como procurações conflitantes como havíamos proposto.

Estes comentários já constam no nosso site desde o ano passado e já esclareceram as condições existentes no tratamento do que consideramos a “pretensa falência da VARIG” uma vergonha na Justiça do Rio de Janeiro e agora já em outros níveis, a verdade aparecerá e seus participantes antigos e novos pagarão caro pela sua ganancia.

Provas já existem e constam na CPI da VARIG na ALERJ, estamos em um novo governo onde as maracutaias aparecem. 

 

Em resposta a mensagem da APRUS para AGU de 29/09/2018 obtivemos o abaixo;

 

    

Email recebido em 11/10/2018

Prezado Dr. Thomaz,

A Procuradoria-Geral da União está aguardando a manifestação da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (ambos órgãos da AGU) quanto à viabilidade do acordo sob o aspecto tributário. Somente após essa análise será possível um posicionamento.

 

Atenciosamente,

Fabíola Souza Araújo

Procuradora Federal

Adjunta da Advogada-Geral da União

 

 

É necessário que todos os aposentados e pensionistas venham a tomar conhecimento que a situação de uma antecipação de tutela não é uma situação tranquila, pois continuamos na dependência de uma decisão do desembargador Daniel, além da referida antecipação não atender a não assistidos com o agravamento dos nossos colegas até o dia de hoje nem terem recebido sua rescisões trabalhistas por omissões e má gestão de administradores judiciais e o próprio judiciário quanto a decisão transitada e julgada como com sucesso.

 

É preciso também entender que a tutela decorreu do reconhecimento pela Dra. Neuza, Desembargador Daniel e seus colegas da responsabilidade da UNIÃO sobre os fatos ocorridos e de que a garantia da ação de defasagem tarifária foi apenas comentada visto que não estava “esquecida” a ação do AERUS sobre a terceira fonte que por uma má interpretação foi considerada prescrita quando somente terminava em 2012.

 

Deixamos claro que não ocorreu pela parte da APRUS qualquer solicitação de acordo e sim o nivelamento das informações, que temos convicção que foram totalmente percebidas e recebidas com a seriedade devida.

 

Com a informação acima queremos fazer entender a todos, que objetivos terão que ser vencidos passo a passo, inclusive por estarmos entrando em um novo governo e sempre depender da continuidade da antecipação de tutela, que embora acreditemos na sua seriedade, nos demandará idas e vindas com ações presenciais por parte da APRUS em Brasília.

 

Os comentários maldosos indicam apenas que nossos “amigos” já não estão em ambiente familiar e não contam mais com o “companheirismo” dos tempos passados de corrupções e suas falcatruas.

Como todos já sabem o trabalho que a APRUS executa, visa apenas clarear o que de fato ocorreu, as responsabilidades governamentais, pois o novo governo não trabalha em cima de mentiras e elucubrações judiciais e sim em cima de fatos que possam ser vistos e reconhecidos, afinal temos um Ministro da Justiça e não de acomodações.

 

Não ou me alongarei mais, pois tenho trabalho pela frente e não tive descanso nem no carnaval, divirtam-se meus colegas participantes do AERUS, alguém continua pensando em vocês e chegarei a uma solução, entendam a razão pela qual precisamos da participação de vocês também na APRUS, afinal sem representatividade não chegamos a lugar nenhum.

 

Thomaz Raposo APRUS